Logo Portal O POVO Online

Esportes

  • Ceará
  • Fortaleza
  • Ferroviário
  • Grêmio
  • Internacional
  • Flamengo
  • Vasco
  • Botafogo
  • Fluminense
  • Corinthians
  • São Paulo
  • Santos
  • Palmeiras
  • Cruzeiro
  • Atlético-MG
rss

Seleção Brasileira

Especiais

Receba as notícias

RSS

Crônica 30/03/2017 - 09h07

O Brasil de Temer e Tite

Nelson Almeida
Presidente Michel Temer assiste a jogo do Brasil contra o Paraguai

Temer e Tite assumiram um Brasil em crise mais ou menos na mesma época. O de Temer precisava crescer e gerar emprego depois do fracasso da antecessora Dilma. O de Tite, recuperar a autoestima e se classificar para a Copa do Mundo de 2018 após o desastre da gestão Dunga. No País, a bola passou de D para T no campo e na política sob a expectativa de que a vida do torcedor-eleitor melhorasse.

Nesse período, a seleção esqueceu rapidamente o passado. Com Tite, foram oito vitórias seguidas, 24 pontos, 24 gols — uma média de três por partida — e uma passagem para a Rússia a quatro rodadas do fim do torneio, feito inédito nas sul-americanas.

Comandante do outro Brasil, Temer se cercou de um selecionado meia-boca. No ataque, escalou companheiros já lesionados para ocupar funções-chave. Com Eliseu Padilha de meio-campista, Moreira Franco na defesa e Romero Jucá de volante, o time parecia empolgar apenas o torcedor desavisado. O esquema tático era muito simples para um desafio imenso: recuperar credibilidade, “estancar a sangria” da Lava Jato, escapar do rebaixamento e, por tabela, do implacável juiz da partida, o paranaense Sergio Moro.

Quase um ano depois, Tite e Temer levaram seus times a resultados diametralmente opostos. O país do primeiro é hoje o contrário do país do segundo. Daí que, numa cartada político-futebolística, o chefe do Planalto tenha escrito ao chefe da Canarinho. Como a pegar carona no sucesso do companheiro, rogou: "Juntos, alcançaremos novas vitórias".

O presidente sonha em ser Tite, mas há um abismo entre os dois. Popular, o treinador é cotado para ocupar a cadeira de Temer, que só se tornou titular depois de uma entrada faltosa (há quem diga maldosa) em Dilma. Perna de pau, o peemedebista não teria lugar nem mesmo naquela fatídica seleção de Dunga.

Henrique Araújo
Editor-adjunto de Conjuntura e cronista do O POVO

Compartilhar
Espaço do Leitor As informações são de responsabilidade do autor:
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários Nome Cidade Escreva seu comentário 300
o povo
anônimo
twitter
facebook
modelo3
Erro ao renderizar o portlet: EN_Clubes

Erro: No module named aplication
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

Erro ao renderizar o portlet: EN_Destaque Video Interna

Erro: No module named aplication